abril 4, 2022

Por Profª. Pós-Drª. Rafaela de Almeida Schiavo CRP/0693353

Os HOMENS são muito negligenciados em sua saúde mental, tanto ao longo da vida quanto especificamente na PATERNIDADE, considerando desde a gestação da parceira até os dois anos pós-parto. A invisibilidade paterna infelizmente é uma grande cultura em nosso país. Se trata de uma invisibilidade até mesmo ACADÊMICA, onde até pelos pesquisadores passa despercebido, tanto é que existem pouquíssimos estudos de profissionais da saúde falando sobre a paternidade e a saúde mental do homem no período perinatal. 

Não existe um consenso para a  PREVALÊNCIA de depressão pós-parto paterna hoje no Brasil. Em uma população que foi investigada em pesquisa se apresentava ou não sintomas de depressão pós-parto paterno, NÃO FOI POSSÍVEL chegar a um consenso devido a escassez de estudos na área. Tudo isso depende da região e do número de homens investigados, como as pesquisas vão de 5 a 25%  indicando que os homens estão apresentando depressão pós-parto paterna, estima-se uma MÉDIA de 10% até que haja estudos suficientes que comprovem.

Se 10% dos homens estão apresentando depressão pós-parto paterna, tendo em contrapartida 20% de depressão pós-parto materna, logo, significa que METADE dos homens também apresentam ansiedade e estresse. É importante que o psicólogo perinatal se atente a esses dados, pois ao receber uma gestante com alterações emocionais, há 50% de chances do seu parceiro também estar.

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}