janeiro 28, 2022

Por Profª. Pós-Drª. Rafaela de Almeida Schiavo CRP/0693353

O pai é praticamente INVISÍVEL na parentalidade, inclusive aos próprios profissionais. Há poucas pesquisas que abordam a paternidade quando comparado a maternidade. 

Isso se explica devido à CULTURA BRASILEIRA onde a responsabilidade com os filhos é muito mais cobrada e EXIGIDA da MÃE do que do pai. Como a nossa sociedade é constituída da crença  de que a mãe é a principal e por vezes única cuidadora, acaba-se tendo POUCOS ESTUDOS com o pai.

Uma forma que Psicólogas Perinatais podem incluir o pai é promovendo Atenção Psicológica Perinatal Paterna, abrindo ESPAÇOS para esse homens receberem avaliação da sua saúde mental e orientação sobre o período perinatal.

Os profissionais da saúde devem ser os primeiros a incluírem o pai, falar com eles sobre parto, amamentação, relação conjugal, rede de apoio, desenvolvimento infantil e outros temas relacionados com o objetivo de reduzir a cultura do afastamento do pai. Somente com essa inclusão é que poderemos promover uma transformação social em nosso país, repensar políticas públicas de ampliação da licença paternidade e outros BENEFÍCIOS para estimular a PARTICIPAÇÃO e RESPONSABILIDADE do pai. 

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}